Entre olhares

​Eles tinham um jeito tão particular de olhar um para o outro que as palavras eram esquecidas no silêncio e no sorriso em cada rosto. 

Esse era o mais sincero cortejo feito pelos dois, se amavam até mesmo quando não havia um toque ou algo mais depois. 

E assim muitos encontram o amor em um simples momento, nessa forma de amar que ficou esquecida no tempo. 

Eles não tinham um corpo escultural mas isso não seria a grande atração no final. 

Eles amavam o olhar que afaga e acalma, o olhar de quem faz cafuné na alma.

Jardim

​Floresce em mim algo, vivo, mas sem pigmento

É rosa sem cor, mas repleta de sentimento
Nascida e regada pelas minhas sementes de dor

Era tristeza recatada, porém tornou-se bela flor
Agora está no jardim das lembranças, sonhos e pensamento

Há nesse lugar historias quebradas, tão vil sofrimento
Há também retalhos de finos carinhos unidos com louvor

Um jardim feito de podas, restos e horror
Nessa terra, agora encantada, a forma virou talento

E o afeto é meu caule, meu tronco, o sustento
Esse peso eu o levarei para onde eu for

Esse jardim outrora colorido eu chamava de amor
J. C. Dhalagzar

Novo mundo 

​É um século cheio de informações, mas todos escrevem histórias que não podem contar. Sou avesso, poeta, minhas palavras são feitas para voar.


J. C. DHALAGZAR

Fases

Sou de fases que não me separam.

Fases complexas do presente e outras que passaram.

Sou fogo, queimo, mas não findo,

renasço das cinzas e continuo sorrindo.

Sou água, sacio, sou extremo e abundante.

A, tão esquecida, metamorfose ambulante.

Sou terra, firme, duro feito rocha e precioso como ouro,

de temperamento vulcânico, guardião de fruto e tesouro.

Sou ar, fôlego, brisa e carícia.

Sou, às vezes, tempestade de malícia.

Sou verão, primavera, outono e inverno.

Serei seu paraíso ou até mesmo seu inferno.

Sou santo, pecador e louco.

Pode não me conhecer, mas saiba que nunca serei pouco.

__________________

J. C. DHALAGZAR

(jucsom)

Lágrimas

Se choro é para não enxergar, pois as lágrimas embaçam o que vejo. 

__________

J. C. DHALAGZAR

(jucsom)